3 de julho de 2013

O Que Sobrou





Eu te contei meus segredos
Você me protegeu dos meus medos
Não havia traições, nem mentiras entre nós
Vivíamos pelo amor, uníamos a nossa voz

Era um sentimento intenso
Beijos, desejos, momentos…
Tudo o que eu imaginei estava ali
E tudo o que eu não esperava fugiu de mim

Mas você foi embora para um lugar melhor do que aqui
E mesmo brigando com o destino, eu ainda posso te sentir
É, eu ando pensando muito em tudo o que vivi
E nas coisas que eu não te disse do que aprendi

Fico olhando a lua cheia
Tão brilhante e tão nossa               
Iluminava o nosso amor
E traz recordações do que sobrou

Não está sendo fácil
Viver sem ter teu abraço               
Está tudo tão amargo
Faltam teus olhos, teu afago


Lorena Silvestre/Washington Cirne




20 de maio de 2013

Anne Dancing.
Anne Dancing

Era azul o céu que despejava luz sobre seus cabelos
Movimentos cortando a velocidade do vento, outubro, novembro, dezembro
Amor já despejado no mar, amor que vai e volta, porque é amor.

Com uma tristeza do tamanho de uma criança pobre
Ela dança calada, soltando risos em cada passo, em cada praça
Ela ama a quem lhe engana na hora da dança.

E mesmo assim ela dança, pois o relógio da bailarina, é o mesmo da vida
A pele é veludo, se arma no escuro
Pernas, charme e conteúdo, tem um pouco de tudo

Das coisas da vida, que aprendeu no mundo
Nos versos simples e um carinho profundo
Vivendo as escolhas que escolheu pra si.

Wagner Cardaccio - 20 de maio de 2013

15 de abril de 2013

Te Ter




Queria amar-te
E mostrar-te que tenho tanto o que te ensinar
Ser teu par e acender o que você acha que não mais há

Queria te acalmar
E retirar essa tua fadiga
E deixar-te sem saídas

Queria te levar
Para um mundo onde caiba o nosso amor
E ter comigo o teu afeto para aonde quer que eu for

Lorena Silvestre

12 de março de 2013

Analu


Analu

Com o passar do vento, se fez no tempo
Se fez de mono-palavras
Agarradas, com significados quebrando a maldade
Se fazendo verdade e camuflando com a mentira
Estamos preso em uma linha infinita, feita de noite, tênue
Conte-me suas histórias, me explique sua visão sobre o amor
E o motivo do sol brilhar tão forte nos dias de verão.
Você sabe como eu sei, você entende o que eu digo
Eu sou de Marte, você de Vênus, somos os estranhos mais conhecidos do mundo
Conte-me o motivo do seu silêncio com os absurdos da vida
Eles não estão no fim do seu livro, conte-me com o balanço do seu corpo
Me mostre suas mágoas com apenas um toque de seus dedos
Ame qualquer um, como você ama a sí mesma.
E no final você vai ver Analu, como o céu é azul, e apenas azul.

Wagner Cardaccio - 13/03/2013

11 de janeiro de 2013



As Artes Do Sertão





A água não vem
Mas alegria tem
O trabalho é árduo
É tanto calor, são tantos calos

A noite tem viola
A arte aflora
A música toca
A solidão se isola

Engana-se quem pensa
Que no sertão não tem graça
Eles riem da desgraça
E aprendem que coisas simples
Curam nossa alma
Que quando se ama a tristeza cala

Os sertanejos sabem das dificuldades, das desigualdades
Porém enfrentam tudo com seriedade, humildade
Eles sabem que quando a poesia invade retira todos os males
E com a imaginação eles conseguem voar mesmo na calamidade
 
Lorena Silvestre.

29 de dezembro de 2012

Caio Bezerra





Caio, meu amigo
Confidente, meu abrigo
Quero você em mim sempre vivo
Para que eu siga com a doçura do teu sorriso

Podemos passar três meses distantes
Mas quando te encontro parece que nos vimos antes
Com a mesma poesia, alegria e abraço
Pois nada é amargo quando estou ao seu lado

Você é minha parte insana
Que erra, aprende, porém não se cansa.
Tu és uma eterna criança
Que enquanto a humanidade se mata, você só dança

Lorena Silvestre

17 de dezembro de 2012

Nó Paralelo

Nó Paralelo

Todo mundo tão normal, tão igual
Mas aparece você, retirando tudo o que me fazia mal
Pedi para te acompanhar e aqui estamos nós, juntos para avançar
Que apesar de tantas pessoas rudes, e com sentimentos mortos
Encontrei alguém, que não deixo, não abuso, não solto.

Somos o absurdo do infinito, apenas juntos somos isso
Paralelamente seguimos lado a lado entre encontros e desencontros
Com pensamentos ilhados no mundo onde ficou tudo para trás
Ainda sim, vejo tudo aquilo que é ignorado de quando era aclamado

Meu coração estava partido
Meu riso estava contido
Já não existia graça no meu destino
Mas veio você
E trouxe novas cores
Que me fez esquecer as dores
Que me reinventou e colocou amor
Em tudo o que me sobrou
Agora eu só sou com o seu calor

Vivo, e inspiro teu corpo
Quando cola, e rola pela cama
Aclamo teu pecado batendo na porta, quando ele diz que me ama
Quando me dizes coisas insanas por trás da minha orelha fria, atenta
As tuas curtas inquisições quando nosso corpo começar a confrontar.

Wagner Cardaccio/Lorena Silvestre 17 de Dezembro de 2012